ESTRUTURA DIFERENCIADA
Estude em ambientes modernos
FORMAÇÃO DIVERSIFICADA
Conhecimentos a partir de várias perspectivas teóricas
CONHECIMENTO TÉCNICO-CIENTÍFICO
Diferenciados métodos e recursos nos procedimentos de análise, avaliação e prevenção

MEMORIAL CLÍNICA-ESCOLA MAIÊUTICA

Localizada junto ao curso de Psicologia, atualmente, compõe a Unidade I da FISMA no Edifício da Policlínica Wilson Aita, no centro de Santa Maria–RS. Foi devidamente instituída no âmbito do curso no ano de 2009 e segue regulamento interno próprio, devidamente aprovado pelas instâncias superiores do Curso e da Instituição e resoluções que regulamentam os serviços psicológicos prestados.

MAIÊUTICA: SIGNIFICADO E PROPÓSITO

Para além do aspecto legal, em sua origem havia o desejo de implementar um espaço de escuta clínica, fortemente influenciado pelo discurso psicanalítico predominante no corpo docente e no projeto pedagógico da época. Nesta perspectiva, a ideia de “cura pela fala” e de uma ressignificação do sujeito (paciente) a partir de si, serviu de inspiração para o nome da clínica: Maiêutica. Trata-se de uma alusão ao Método Socrático, criado pelo filósofo ateniense Sócrates (469 a.C. – 399 a.C.), que possui como fundamento principal à conversação, induzida por perguntas que podem levar o interlocutor ao conhecimento/verdade de si. Em outras palavras, a clínica Maiêutica foi idealizada como um lugar de orientação técnica para “partejar” um novo sujeito, para ver-se amenizado de seu sofrimento. Nestes termos, a Clínica-Escola Maiêutica (CEM) nasce também com o propósito de se tornar um ponto de referência no atendimento da saúde mental, visando a qualidade de vida das pessoas. Assim, criou-se um espaço pedagógico de extrema relevância social, onde alunos e professores aprendem e ensinam ao tempo em que servem a comunidade através do atendimento à saúde.

OBJETIVO DA CEM

Desde a sua concepção, consiste em um espaço para a realização dos estágios supervisionados de acadêmicos do curso de Psicologia, atendendo às demandas da saúde mental da população. Em uma estrutura física ampla e moderna, os acadêmicos realizam atendimento psicológico de crianças, adultos, casais e famílias sob a orientação de um professor (psicólogo) vinculado ao curso. A CEM abriga, ainda, projetos de extensão, iniciação científica, grupos de estudos, cursos de capacitação entre outras atividades de caráter pedagógico e de formação complementar aos estagiários e supervisores. Este espaço é de extrema importância para o desenvolvimento de competências e habilidades preconizadas no projeto Pedagógico do Curso, haja vista a multiplicidade de demandas atendidas.

AS DEMANDAS DA CEM

Em diferentes graus de complexidade, a CEM atende, através de um sistema de agendamentos, casos de demanda espontânea e de encaminhamentos realizados pelo sistema de Justiça, Secretarias Municipais de Saúde, Assistência Social, Educação, comunidade interna FISMA e de outros setores da sociedade civil organizada. Este contexto exige do acadêmico capacidade de interagir com diferentes pessoas e instituições, tendo como base princípios técnicos e éticos da profissão. Ao longo do seu funcionamento, a CEM já atendeu mais de duas mil pessoas nas diferentes modalidades de atendimento e públicos, e realizou mais de quarenta e um mil atendimentos.

NÚMERO DE ATENDIMENTOS

Fonte: Relatórios da Coordenação da CEM

Fonte: Relatórios da Coordenação da CEM

A pluralidade das demandas que chegam ao serviço conduz professores e alunos a um aprimoramento técnico científico contínuo, o que faz jus ao espaço da clínica enquanto laboratório de aprendizagem e formação profissional. Esta dinâmica opera através do entrelaçamento entre a teoria e a prática, o que garante um ambiente de trabalho pautado no pensamento crítico e reflexivo, indispensáveis à formação de profissionais da área da saúde. A CEM atende pacientes de diferentes regiões e contextos socioeconômicos de Santa Maria, inclusive usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), que encontram nos serviços condições ideais de acolhimento às suas demandas. Neste caso, o acadêmico do curso atende o usuário na perspectiva da política pública, isto é, desde o acolhimento, triagem, anamnese e demais procedimentos técnicos, o que possibilita ao estagiário a contatar, encaminhar, emitir parecer (sob supervisão) e dialogar com profissionais de outras áreas, que eventualmente atendem este mesmo usuário.

A GESTÃO ORGANIZACIONAL DA CEM

A gestão organizacional do espaço é realizada pela secretaria do Centro Integrado de Ensino, Pesquisa, Extensão e Serviços em Saúde (CISEPES), através de profissionais devidamente capacitados para as atividades. As funções de coordenador e responsável técnico pelos serviços são exercidas por professor vinculado ao curso/profissional de psicologia com registro ativo junto ao Conselho Regional de Psicologia (CRP) e nomeado pela Direção Geral da IES. Por estar vinculada ao Curso de Graduação em Psicologia, a CEM responde, através de sua coordenação, aos objetivos do curso e, evidentemente, aos demais dispositivos legais intrínsecos a sua constituição.

Ainda no aspecto organizacional, a CEM atende através de um modelo de gestão com processos internos devidamente padronizados. Esta condição visa estabelecer níveis de eficiência no atendimento ao usuário, o que também gera efeito pedagógico sobre o comportamento ético de alunos e professores. Este aspecto visa atender às exigências no manejo de documentos (prontuários, pareceres, avaliações…), na relação do trabalho com a legislação educacional e profissional, no zelo pelo contrato firmado com o usuário/paciente e, em última instância, atende ao rigor do dever ético para com as pessoas que buscam o atendimento. Desse modo, a CEM atua como uma organização profissional que empresta o seu contexto gerencial à experiência do aluno, particularmente às questões relativas ao desenvolvimento de equipe, reuniões administrativas, capacitações internas e demais espaços de aprendizagem que complementam a formação acadêmica.

A CEM COMO LOCO DE APRENDIZAGEM

Os serviços prestados oportunizam ao acadêmico a possibilidade de interação com outros profissionais ou áreas do conhecimento, tais como enfermagem, medicina, terapia ocupacional, psicopedagogia, educação especial, farmacologia, serviço social, direito entre outros. Nesta perspectiva, os serviços da Clínica-Escola cumprem com uma relevante função social, que, ao garantir atendimento psicológico com valores simbólicos à população, atua diretamente na transformação das condições de vida das pessoas. Acrescido, tem-se o fato de que o protagonista destas ações é o próprio estagiário, cuja experiência cumpre com o objetivo pedagógico maior deste espaço.

Este contexto produz um ambiente contínuo de aprendizagem onde o conhecimento produzido ao longo do curso se reitera, convocando o aluno à sua aplicação. Todo paciente/usuário da C.E.M desafia o seu terapeuta ao entrelaçamento dos conhecimentos básicos e específicos, e revela o caráter interdisciplinar e transversal dos saberes até então produzidos. Substitui-se, assim, a primazia da sala de aula como loco de aprendizagem, por um espaço itinerante de saber e de produção do conhecimento. Esta pluralidade faz surgir momentos de diálogos e reflexões interdisciplinares no âmbito da clínica. Neste contexto diversificado e de complexas demandas, o Curso de Psicologia da FISMA concebe, através deste serviço, um “loco pedagógico” extremamente relevante para o desenvolvimento das competências e habilidades prevista para o perfil do egresso.